A história oral dá conta de que três filhos de Ferdinando Fiori e Francisca Giannasi, partiram da pequena vila de Monterotondo, passando por Castelnuovo de Garfagnana e desceram o vale do Rio Sercchio, na Toscana. O destino: um navio que partisse de Gênova em direção à América. Os registros não foram localizados, mas especula-se que seja logo no início da chegada dos primeiros imigrantes italiano ao Brasil, entre 1875-80. Seriam eles Giovanni (1854), Giovacchino (1857) e Domenico (1864). Os irmãos Agostino (1859) e Paolo Angelo (1861) permaneceram em Monterotondo. Giovanni teria ficado em São Paulo, enquanto Giovacchino e Domenico acreditaram numa vida melhor na serra do Rio Grande do Sul. Um lugar onde o clima e a geografia se assemelham com o vale do Rio Sercchio. Foi a última vez que viram Giovanni, não há informações posteriores dele.

Giovacchino Fiori
No Brasil os registros de Giovacchino foram "aportuguesados" para Joaquim. Na na Região de Santa Isabel/Conde d'Eu (atual Garibaldi/Bento Gonçalves) na serra gaúcha, conheceu Antonia Zilio, filha de Giovanni Zilio e Giovanna Borsato, família natural de Padova, na região do Veneto. Casaram-se por volta de 1885. Após o casamento, deixaram a Linha Graciema de Conde d'Eu e foram para Alfredo Chaves em 1888. Aproveitando o movimento dos tropeiros e o crescimento da região, abriram uma casa de comércio na avenida central do vilarejo, então conhecido como Pinheiro Seco. Com a família crescendo (12 filhos) e os negócios prosperando, em 1913 inauguraram o Casarão dos Fiori. Giovacchino faleceu de problemas cardíacos em 1926, pouco depois de vencer uma partida de bocha. Antonia Zilio viveu mais 32 anos como viúva. Giovacchino recebeu uma homenagem póstuma da Camara di Commercio, Industria, Artigianato, Agricoltura di Lucca, com Diploma di Benemerenza.

Domenico Fiori
Em Alfredo Chaves, na região de Santa Isabel (atual Garibaldi), na Linha Figueira de Melo, Domenico fazia a América casando-se com Lucia Gonzatti em 1884 e tendo quatro filhos: Fernando, Maria, Francisca, Joaquim e Frederico Ferdinando. É possível notar homenagens nos nomes à mãe, pai e irmão.Suas atividades foram além do comércio e agricultura, desfrutando de uma vida social intensa. Fundou a Societá Stella di Itália, também conhecida como Consiglio di Principe di Napoli, ainda em Conde d'Eu. Em Alfredo Chaves, foi Conselheiro da Confederazione Italiana in Alfredo Chaves entre 1891a 1894. Teve uma segunda esposa, Maria Giovanna Canal em 1900. Com ela teve tres filhos: Manoel, Luigi e Bibiana.

Informações sobre relação de nomes, datas e locais de nascimentos você encontra no link sobre a Árvore Genealógica, que está permanentemente aberto para receber mais dados.